quarta-feira, 30 de julho de 2008

Pedalando sem sair do lugar?


Na falta de fé, esperança, solidariedade, sensibilidade, bondade... a idéia que mais parece em voga hoje em dia é: tenha um corpo sarado. A cada esquina do Rio de Janeiro encontramos um Mc Donald’s e uma academia. Em vez de "caras pintadas" em protesto, proliferam-se os rostos plastificados e "botoxizados". Uma legião cada vez maior de pessoas cultiva o hábito de malhar. Malhar não mais os políticos corruptos (duas palavras que se tornaram redundantes); ou o estilo de vida cada vez mais selvagem dos cariocas. Em vez disso, malhamos nossos corpos, nossos glúteos e abdomens. A redução da massa cinzenta parece ter como conseqüência direta a elevação da massa muscular. Talvez o exercício que melhor simbolize essa “sanha” de achar que estamos indo a algum lugar (quando na verdade estamos praticamente estagnados) são as aulas de spinning! Suar, pedalar, suar, pedalar, sentir o coração quase voando pela boca ... Suar, pedalar, e beber um pouquinho de água. Olhar em volta e ver que todos sofrem coletivamente. E que a paisagem é artificial, pouco iluminada. Isso é uma aula de spinning. Durante a aula, penso diversas vezes “estou quase morrendo”... Chego em casa moída, no limite do desmaio, morta de fome. Será que faz bem? No dia seguinte, acordo com meu corpo parecendo que foi atravessado por um trator. O que eu vejo de positivo nesta aula é que ela me impede de manter qualquer pensamento por mais de três segundos. E as músicas, se o professor estiver inspirado, podem ser bastante estimulantes. Outro dia ouvi uma do Michael Jackson que não curtia a tempos: (Annie are you ok?)/ (Will you tell us that you're ok?)/ (There's a sign in the window) / (That he struck you - a crescendo Annie!). Esses sussurros para Annie, perguntando se ela “estava ok”, esse “crescendo”... isso tudo me intrigava um bocado durante a adolescência. Quase tanto quanto o trecho “A mulatto... A mosquito...” de “Smells Like Teen Spirit”... Essas palavras em inglês me pareciam um pouco deslocadas do restante da música... sei lá.... Bom... Este é o tipo de pensamento favorecido pelas aulas de spinning...


Um comentário:

jurandi disse...

Me apaixonei pela sua escrita desde a primeira vez. Penso que poucos escrevem assim, hoje em dia.
E suas reflexões também são muito significativas.
Só não concordo que você não tenha saído do lugar. Do jeito que te conheço e lendo suas palavras vejo o quanto você viajou e me levou nesse passeio tão agradável.
Continuemos a pedalar...
Um beijo do
Jura