terça-feira, 13 de janeiro de 2009

Você é o lugar onde você mora?



Continuando as divagações sobre as nossas paisagens (é bom começar lendo o post abaixo)... infelizmente tem gente que discrimina certos locais e pré-julga as pessoas simplesmente tomando por base o bairro onde elas moram. "Hum... patricinha(o)"; "Hum... suburbana(o)", etc, etc.

Tem me chamado muita atenção hoje em dia a mentalidade estreita. Essa mentalidade não discrimina pessoas de nenhuma raça, credo ou região. Ela é democrática na forma de afetar os seres humanos.

Não há como negar que uma parte de mim está intrinsecamente ligada aos contornos da Lagoa Rodrigo de Freitas, ao bronzeado de Copacabana, Ipanema, ao intelectualismo "fashion" dos cinéfilos que freqüentam os cinemas de Botafogo. Fui criada ali, tudo isso faz parte de mim. Minha alegria física e mental, e mesmo meu conceito de uma "vida feliz", estão impregnados dessas paisagens. Inevitável. Bicicletas correndo ciclovias, o vento batendo no rosto, a sensação de liberdade de tomar um chope no meio da rua, ainda de biquíni, a ansiedade de querer conferir as últimas novidades do cenário cultural. Essa ânsia, essa inquietação, são minhas. Sou eu. Cresci cercada de livros, fazendo viagens (grande parte delas, puramente mentais), sendo estimulada a querer procurar o que existe do "lado de lá". Gosto do lugar onde eu nasci e onde ainda respiro. Reconheço em mim o cheiro e as cores do local onde eu moro. Mas felizmente, esse lugar não me condena.

Seja a paisagem externa "feia" ou "bonita", para mim o que conta mesmo é a paisagem que mora dentro da gente. E que embora, e sem dúvida, seja influenciada pelo local onde vivemos e pessoas com quem convivemos, não se nutre exclusivamente deles .

Por isso não entendo, por exemplo, quem reprova o gosto por funk, techno, forró, clássica, samba ou blues em certo tom pejorativo. Ou quem não coloca os pés nas areias da Zona Sul, da Zona Oeste, ou não respira o ar da Zona Norte. Acho que o valor não está nas coisas. Mas na nossa capacidade de enxergar com amplitude, profundidade, e relativizar.

Quais paisagens você enxerga? É isso o que me interessa.

4 comentários:

Troiana disse...

Eu adoro uma roça!
Uns bichos e umas plantações.
Não preciso de mar.
Não preciso de "mar" nada.
Uma represa me basta.
E um amor? Ah, isso eu já tenho.
Agora, sabe o que falta pra colorir mais ainda esta paisagem? Dinheiro.
Capital inicial e circunstancial.
Bjsssssss

andréa disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
andréa disse...

julia, querida, eu tenho pensado q preconceito, muitas vezes, é pura ignorância, medo do que não se conhece, receio da diferença. Por isso acho tão dificil a possibilidade de um mundo sem preconceitos. os conceitos classificam as coisas pra nós, que adoramos classificar! rs
beijo

wellington disse...

Oi Júlia

Goste deste texto, muito legal.