sexta-feira, 26 de junho de 2009

Apenas o fim


Esta semana foi marcada por fatos que me fizeram pensar no fim. Pensar no fim de todas as coisas: dos momentos, dos relacionamentos, da vida. A reflexão teve início quando fui ver o filme “Apenas o fim”. O próprio nome foi, por si só, bastante sugestivo: o fim não é tudo. O fim é... apenas.

O fim é, apenas.

Entre o começo e o meio e entre o meio e elezinho ali, se estendendo ao infinito, muita coisa se passa. Agora eu te faço uma pergunta: Quem é Michael Jackson, o cantor de cara quase transparente e olhos tristes, ou aquele que dançava Billie Jean de luvas brancas e chapéu inclinado na cabeça, com nariz (ainda) mais pra bolachudo, pele quase negra e cabelo quase black power, sem escova progressiva? Para mim, Michael Jackson não é a figura envolvida em polêmicas, que sacudiu o filho da sacada do edifício, e que morreu solitário de algum problema do coração. Este foi ele no fim, foi apenas o seu fim. Mas ele “aconteceu” na trajetória entre o começo e o meio da sua existência, e em algum espaço contido entre o meio e o fim.

Tem gente que esquece de si mesmo em algum lugar do passado - e fica tentando se “copiar” a vida toda, repetindo uma batida monocórdia. Essas pessoas viram máscaras enrijecidas, sem vigor ou expressão. Tem gente que passa toda uma existência sem que talvez nunca chegue a “ser” de verdade. Porque “ser”, eu acho, requer grande liberdade e ousadia. E tem gente que escolhe alguns caminhos... que apequenam, e não correspondem talvez à sua verdadeira estatura.

O fim, nem sempre, está à altura do que (se) foi.

Michael se imortalizou para mim (e para muitos) quando, entre outros milhares de momentos, em pleno estádio do Morumbi lotado, eu pude vê-lo – a olho nú!! – com o corpo inclinado formando 45 graus com o chão. E depois deslizando aqueles pés ao embalo de gritos histéricos de uma admiração transbordante e deslumbrada.

Em algum momento da vida, quando ainda não era um retrato desbotado de si mesmo, Michael inventou um jeito próprio de ser, de se mover e sentir o som, que vai pulsar ainda por muito tempo.

Portanto, este fato que estampa as capas dos jornais de hoje, foi o fim, apenas.

O ponto final que me fez pensar na beleza de tudo o que transborda, e se eterniza.


Um comentário:

Alan DB disse...

Esse é o tipo de texto que pode te levar além... Avante! Beijos! E que o fim esteja longe... Que ainda possamos ser muito mais!